Como é que uma condução ecológica pode ajudar a poupar combustível?

Atualmente, existe um interesse crescente nas técnicas de “condução ecológica” ou “condução verde”. Vamos analisar ao pormenor o que significa condução ecológica, e como alguns comportamentos de condução podem ajudar o ambiente e ainda poupar dinheiro no seu orçamento de combustível. 

O que é a condução ecológica?

O conceito “ecológico” da condução ecológica representa dois princípios.

  • Primeiro, a ecologia: conduzir com uma preocupação ambiental é cada vez mais importante para os consumidores atuais.
  • Segundo, a economia: poupar combustível tem um efeito positivo na carteira do cliente. A condução ecológica, ou “condução verde”, representa um conjunto de técnicas de condução que pretendem reduzir as emissões e a utilização de combustíveis fósseis tanto quanto possível. E se conduzir um veículo elétrico, também vai ajudar a aumentar a autonomia da bateria!

Que técnicas de condução podem ajudar a poupar combustível?

Deixamos 9 sugestões de condução ecológica para reduzir a sua pegada de carbono e poupar dinheiro.

1. Verifique a pressão dos pneus

Pneus com pressão insuficiente aumentam os consumos de combustível, para além de influenciarem o controlo do veículo. Por outro lado, os pneus com pressão excessiva reduzem os consumos de combustível mas aumentam as distâncias de travagem e reduzem a vida útil do pneu. Os níveis de pressão adequados costumam figurar no manual de manutenção do veículo, no porta-luvas, na porta ou na tampa do depósito de combustível.

2. Escolha o pneu certo

Os pneus identificados como “consumo eficiente de combustível” foram concebidos para criar uma resistência ao rolamento reduzida que também ajuda a reduzir, de forma significativa, o consumo de combustível do carro. Um sistema de etiqueta pode ajudar a identificar o pneu mais eficiente: procure o pictograma com a “bomba de gasolina” na etiqueta e escolha os pneus com classificação A.

a etiqueta apresenta a eficiência de combustível do pneu, classificada de A a E (sendo A a mais eficiente).

3. Antecipe: abrande, não trave

Por exemplo, evite acelerar até ao semáforo para depois travar. Em vez disso, anteveja a situação e deixe a distância suficiente para o carro desacelerar suavemente.

4. Evite uma condução brusca

Nem sempre é fácil nas zonas urbanas, mas as constantes paragens e arranques vão pesar nos seus consumos de combustível. Uma das formas de obter consumos mais baixos (litros por cada 100 km) na condução em cidade é descontrair! Não precisa de estar sempre a colar-se ao carro da frente. Felizmente, muitos dos carros modernos estão equipados com modos de condução urbana concebidos para reduzir o consumo de combustível.

green driving fuel saving 2

5. Evite acelerações repentinas

Quanto mais depressar alterar a velocidade de um objeto, mais força vai necessitar. Um incremento repentino na velocidade vai exigir uma dose extra de energia e, por conseguinte, afetar o seu nível de combustível.

6. Respeite os limites de velocidade

Não apenas por uma questão de segurança, os limites de velocidade ajudam a reduzir o consumo de combustível e das emissões poluentes. 

7.  Analise o terreno

Deixar o carro rolar com uma velocidade engrenada pode ser uma excelente forma de aumentar a autonomia. Por exemplo, ao aproximar-se de uma descida, deixe o carro rolar e a gravidade fará o resto do trabalho. Se depois se vai deparar com uma subida, comece a acelerar assim que chegar ao final da descida. E a utilização do Cruise Control? Embora prático na autoestrada, é melhor desativar este sistema em terrenos inclinados.

8. Não deixe o motor a trabalhar

Tanto para a sua carteira como para o ambiente, evite deixar o carro a trabalhar sem necessidade. Isto inclui as paragens para fazer um telefonema, esperar no carro quando vai buscar as crianças ou, até mesmo, quando está preso em engarrafamentos.

9. Use o ar condicionado com moderação

Uma utilização desnecessária implica maior consumo de combustível e mais CO₂ na atmosfera. A baixa velocidade, opte pela ventilação ou por abrir as janelas.

Condução verde: sugestões de especialistas para ajudar a poupar combustível

Cyrille Roget, o Diretor de Comunicações Técnicas e Científicas da Michelin, sugere alguns exemplos específicos sobre como poupar combustível com as técnicas de condução ecológica. 

Ele explica, “Acelere suavemente, aproveitando a potência do automóvel durante o arranque, por exemplo.” Não há necessidade de acelerar o mais rápido possível. Da mesma forma, em termos de velocidade: “respeite os limites de velocidade na autoestrada para poupar combustível. Não precisa de acelerar nas subidas, pode sempre deixar o carro abrandar um pouco nos planos inclinados.”

Nas zonas urbanas, Cyrille comenta, “a tentação é permanecer muito próximo do veículo que segue à nossa frente. Em algumas cidades, os condutores podem desenvolver uma condução brusca. Mas o segredo é manter o seu próprio ritmo, e antecipar as situações tanto quanto possível.”

reduce fuel consumption 3

Modern car speedometer

E qual é um dos fatores mais importantes em termos de poupança de combustível para obter a média de consumo de combustível mais baixa? Os pneus! Cyrille explica que muita da energia “desperdiçada” (combustível que não é usado para movimentar as rodas do carro) se perde devido à resistência ao rolamento: “esta perda representa até 20%, ou seja, um depósito de combustível em cada cinco. E quando se considera a quantidade de combustível que gastamos no carro por ano, compreendemos que uma quantidade significativa.”

A solução para reduzir a resistência ao rolamento (sem perder a tração) é usar os pneus adequados. Veja, por exemplo, os novos pneus MICHELIN e.PRIMACY. Concebidos especificamente a pensar em todos os aspetos da condução ecológica, ajudam os condutores a poupar combustível e dinheiro devido à sua resistência ao rolamento extremamente baixa(1).

Com a melhor resistência ao rolamento face à média dos seus concorrentes premium (1), os MICHELIN e.PRIMACY oferecem 0,21 litros de combustível a cada 100 quilómetros e cerca de 80 € durante a vida útil do pneu (2,3). Num veículo elétrico, a autonomia aumenta em cerca de 7%, em comparação com outros pneus da sua categoria, o que representa 30 km, numa autonomia estimada de 400 km (4).

Como é que os condutores podem ajudar o ambiente? 

A indústria automóvel estar a dar passos significativos no sentido de melhorar o impacto dos veículos no ambiente, através de inovações como os pneus MICHELIN e.PRIMACY ou os pneus MICHELIN PILOT SPORT EV. Mas o condutor também tem um papel importante a desempenhar. Como pudemos ver, a condução ecológica não é apenas uma forma de poupar combustível, dinheiro e manter a segurança na estrada, mas a mentalidade da condução verde também é fundamental se seguirmos juntos com destino a um futuro verde.

Encontre os pneus Michelin perfeitos para si em segundos

Créditos fotográficos:

Halbergman / Getty
Zero Creatives / Getty
Karin & Uwe Annas / Adobe Stock
Kiyoshi Hijiki / Getty

Legal mentions

(1) A categoria dos pneus MICHELIN e.PRIMACY é definida como um dos pneus de verão Premium, tais como os das marcas CONTINENTAL, GOODYEAR, BRIDGESTONE, PIRELLI, DUNLOP, e que não são dedicados a aplicações de Equipamento Original (ou seja, não são concebidos para atingir objetivos específicos de cada construtor automóvel), sendo pneus que podem ser adquiridos nos revendedores.
Teste de resistência ao rolamento - Testes de resistência ao rolamento, realizados em máquina pela Applus Idiada, a pedido da Michelin, em junho (em pneus novos) e agosto (com desgaste de 2 mm) de 2020, na dimensão 205/55 R16 91V, ao comparar os MICHELIN e.PRIMACY (novos: 5,58 kg/t e gastos: 5,13 kg/t) com os MICHELIN PRIMACY 4 (novos: 7,74 kg/t e gastos: 6,25kg/t); BRIDGESTONE TURANZA T005 (novos: 7,17 kg/t e gastos: 5,81 kg/t); CONTINENTAL ECOCONTACT 6 (novos: 6,39 kg/t e gastos: 5,49 kg/t); CONTINENTAL PREMIUM CONTACT 6 (novos: 8,93 kg/t e gastos: 6,94 kg/t); DUNLOP BLURESPONSE (novos: 7,97 kg/t e gastos: 5,54 kg/t); GOODYEAR EFFICIENT GRIP 2 (novos: 7,01 kg/t e gastos: 5,38 kg/t); PIRELLI CINTURATO P7 BLUE (novos: 6,96 kg/t e gastos: 6,30 kg/t); PIRELLI CINTURATO P7 (novos: 8,79 kg/t e gastos: 6,97 kg/t).

(2) Enquanto novos, os MICHELIN e.PRIMACY geram, em média, menos 2 kg/t de resistência ao rolamento do que os seus concorrentes, representando uma redução no consumo de combustível de até 0,21 l/100 km, equivalente a uma melhoria nas emissões de C02 de até 5 g com o VW Golf 7 1.5 TSI ou equivalente, e a uma melhoria de até 7% em autonomia com o VW e.Golf. 
Durante a sua utilização, os MICHELIN e.PRIMACY geram, em média, menos 1,5 kg/t de resistência ao rolamento do que os seus concorrentes, representando uma melhoria equivalente a uma poupança de até 80 € em combustível. Esta melhoria é equivalente a uma redução de até 174 kg de C02. Os ganhos de utilização são estimados, tendo por base a média dos dados comparativos entre um pneu novo e um pneu com um desgaste de 2 mm, na sua performance de utilização em condições reais - Todos os ganhos são estimados numa base de 35 000 km e um preço de combustível de 1,46 €/l (https://ec.europa.eu/energy/data-analysis/weekly-oil-bulletin_en 06/01/2020 ponderado entre os 10 principais países com deslocações em veículos a combustão em território nacional e estrangeiro - https://ec.europa.eu/ eurostat/web/transport/data/database). Os preços de combustível e as poupanças associadas podem variar consoante os hábitos de condução, tipo de veículo ou pressão dos pneus.

(3) Aumento da autonomia da bateria dos veículos elétricos e redução de CO2. Enquanto novos, os MICHELIN e.PRIMACY geram, em média, menos 2 kg/t de resistência ao rolamento do que os seus concorrentes, representando uma redução no consumo de combustível de até 0,21 l/100 km, equivalente a uma melhoria nas emissões de CO2 de até 5 g com o VW Golf 7 1.5 TSI ou equivalente, e a uma melhoria de até 7% em autonomia com o VW e.Golf.